1 de jun de 2007

"Tempo, tempo mano velho, falta um tanto ainda eu sei
Pra você correr macio
Como zune um novo sedã
(...)
Tempo amigo, seja legal
Conto contigo pela madrugada
Só me derrube no final." (Pato Fu)


Essa semana fui metralhado pelo tempo. Ou pelas convenções e especulações que fazemos a seu respeito:
1. esqueci o guarda-chuva, lembrei no portão de casa, ao sair. Mas me pareceu ter passado tanto tempo entre esquecer e lembrar que deu preguiça de volta e pegar.
Choveu muito naquele dia.
2. seis meses se passaram depois que ela se foi. A dor ainda é tão forte que conto nos dedos os dias, como se fosse semana passada. Dez dedos, cinco em cada mão.
3. Santo Agostinho se pronunciou: "Se não me perguntam o que é tempo, eu sei. Mas, se pergutam o que é o tempo, eu não sei." A aluno detestou, quer terminar o curso com dignidade, seu tempo, curto.
4. um anti-idade aliviou três grandes rugas. Ganhei alguns anos.

Acho que é assim mesmo.



Um comentário:

Angélica Alves disse...

Toni,
amigo pra sempre muito querido

Vou te contar uma estória.
Dizem que ajuda a fazer o tempo passar:

Perto da minha casa, lá no Cosme Velho, existe uma padaria onde, de vez em quando, cismo de ir pra comprar pão de sal fresquinho ou pilha, canela, gelatina, cola Pritt, sandália havaiana, mamão, manteiga e coca light.
Bem, os donos dessa padaria são portugueses: Manoel, José e Nelson. Não é que um dia desses, como eu sou muito dada e quando vejo já estou falando demais, acabei contando pra eles que vinha pra Portugal: "Estou indo pra sua terra", eu disse. Pois não é que, imediatamente,me contaram todas as suas saudades e quando recordaram a terra onde nasceram, Arouca, ficaram com os olhos cheios de lágrimas. São pessoas muito simples, estão no Brasil desde meninos, voltaram poucas vezes a sua aldeia. Sem cerimônia, embalaram 2 caixas de café Mellita e pediram que entregasse a sua irmã, Lourdes, que mora aqui mesmo em Braga, bem próximo ao Sameiro, aquele santuário tão lindo, no alto do monte.
Não é que hoje eu estive lá? Passamos a tarde juntos,Lourdes, António, o seu marido, e Paulinho, seu filho caçula, que, forçosamente, lhes ensinou tantas lições difíceis e essenciais nessa vida. Conversamos como velhos e queridos amigos. Juro que deixei que contassem suas mais doces recordações. António mostrou a foto do casamento da filha, Sônia. Disse-me que é airosa. Você sabe o que realmente significa airosa? Isso mesmo: luminosa. Ele completou: "de espírito alegre". Há de ser mesmo alegre o seu espírito, uma jovem tão linda, de branco, na foto bonita do casamento, aos 27 anos, com aquele que foi o seu único namorado. Sônia contou que ela e Paulinho adoram ouvir o filho mais velho tocar piano.
vi muitas fotos. Ouvi e contei muitas histórias. Tomamos café e suco. Lanchamos aletria. Uma tarde exatamente azul. Não sentimos o tempo passar.
Esperamos 50 anos para que esse encontro acontecesse exatamente hoje, exatamente aqui. Talvez nunca mais nos encontremos. Mas como esquecer as folhas de eucalipto amontoadas no prato da mesa da sala, de propósito, pra espantar vírus e refrescar os aromas, ou as fotos da família se multiplicando nas bancadas da sala da casa portuguesa, com toda a certeza, todas as velhas histórias, os afetos guardados, os abraços, ou ainda o gosto das ameixas maduras, na única tarde de 6 de junho de 2007 de nossas vidas?

Ah, o tempo, esse grande e delicioso enigma...

Trilhões de beijos, mano velho.

Angélica