20 de jul de 2009

Presentinho!


Eu tenho uma grande amiga hoje.
Uma amiga que acaba de ganhar esse posto porque perdeu o de grande amor, ela não quis e eu confirmei.
Essa amiga tem tomado um lugar importante na minha vida, no meu dia-a-dia, na minha lista de afetos-antes-desafetos. Lista cada vez maior inclusive. Porque vou me reconhecendo a cada dia pelo outro, pelos outros, tem jeito não, sou assim mesmo.


Ainda não temos muita história pra contar, é verdade. A maior parte das lembranças ainda diz respeito a parte onde havia só um descaso. É que foi bem recentemente que ultrapassamos a linha que separa nossos bairros e nossas intenções.


E por conhecê-la ainda tão pouco é que ando fissurado por descobri-la.
Não por inteiro que é pra não perder a graça, mas pelo menos a ponto de não duvidar.
A tarefa não é fácil. Ela anda meio arredia, meio egoísta, abriu mão de ser ela mesma durante muito tempo e agora não quer aceitar nada que não seja genuinamente seu.
E aí ela reclama quando eu falo fazendo manha, diz sem o menor pudor que eu sou capiau e de quebra ainda afirma categoricamente que sou deslumbrado.
Mas eu não me chateio não. Entendo bem esse momento. Ainda mais no caso dela, tão perfeitinha e matemática, ainda muito apavorada pra considerar variáveis que ela não pode controlar. Aí eu ouço, pego o que há de bom e sigo cultivando esse sentimento tão gostoso.


Talvez eu conheça minha amiga mais do que ela a mim. Talvez eu saiba exatamente o que ela espera de mim e talvez por isso eu faça quase sempre o contrário que é pra mostrar pra ela que o mundo continua o mesmo e que as pessoas não vão ser diferentes só porque ela tá de saco cheio.

Essa minha amiga é uma das pessoas mais inteligentes que eu conheço. É vaidosa também. E adora elogios. Quando eu não os faço por mera constatação ela sempre arruma uma forma de me fazer dizer, ainda que indiretamente.

A verdade é que me sinto bem ao lado dela. Gosto da forma como me confronta, como ri e do jeito meio sapeca de olhar pra mim quando acha graça. Ela sempre acha graça de alguma coisa e eu preciso aprender isso com ela.


Mas o que mais gosto nessa minha nova amiga é sua grandeza. A grandeza que ela mesma não sabe entender, por isso se perde tanto. Ela brilha diferente, guarda um destino tão grande quanto ela, mas não vai saber como ir atrás dele enquanto não parar de perder tempo com inseguranças bobas.

Enquanto isso a gente vai se divertindo, muito.
Hoje mesmo, quando ela chegar aqui e eu disser que tem um texto pra ela no blog (e que o texto não é antigo!) ela vai ficar curiosa e vai rir. Mas não vai ficar muito curiosa não, nem vai se empolgar muito porque ela não me dá muita bola (mas vai se mijar quando ler a parte do capiau!).
Aí eu vou dizer que hoje é dia do amigo e por isso resolvi falar dela no blog. Ai ela vai gargalhar, dizer que nem sabia que existia um dia do amigo e provavelmente vai fazer um "argh!" pra mim porque acha isso meloso demais.
Depois vamos trocar nossos apelidos carinhosos - suína e eqüino - e vamos mudar de assunto.

As outras coisas já são sérias demais por isso a gente só quer saber de rir.

8 comentários:

Sandra Siqueira disse...

Que bonita homenagem!
Essa sua amiga é uma mulher de sorte!

Agora que descobri seu blog vou vir sempre aqui espiar!

Beijo grande,

Prof. Sandra

cachinhos disse...

feliz dia do amigo! te adoro! bjs

Graça Rangel disse...

Fico encantada com a sua capacidade de escrever sobre sentimentos tão difíceis dessa maneira tão clara, tão divertida e tão tocante.

Você parece ser uma pessoa de bem com a vida. E muito maduro também...
Não é todo mundo que consegue lidar com os defeitos dos outros e tirar poesia disso.
De fato sua amiga deve se sentir honrada por isso!

Parabéns pelo texto.

Graça.

Monique Frebell disse...

Obrigada mesmo pela torcida.
Qualquer hora dessas eu volto e conto como consegui tah!?

Bjus!

=)

Jaya disse...

Toni,

Eu posso dizer só que eu quis um texto desse pra mim? Pois eu quis. Quero.

Coisamaislinda, cada letra.

Beijo, moço.

E pega o que quiser, lá. Sempre.

geo. disse...

olá toni,
muito obrigada pelo elogio, e sinta-se sempre em casa pra voltar sempre por lá.
e eu me sentirei pra voltar aqui, e pelos bares da vida.

beijo

RocaBox disse...

hum... amiga nova e... sei... Lindo texto palhacinho!!!!

Ana Paula disse...

Texto e amizade escritas com maestria.

Abraços