6 de jun de 2006

Educação. Por Maria Angélica Alves

Esse post vai assim, sem qualquer acréscimo meu, sem qualquer palavra a mais. Aliás, ele fala sozinho, até mesmo aqui, fora do seu contexto.
Obrigado a Angélica, professora do Caps Uerj, pela gentileza de permitir que meu humilde blog compartilhe de tamanha paixão...
"No dia 19 de maio, li uma matéria no jornal "O Globo" que me fez pensar muito em vocês. "Realidade muito além do futebol" era o seu título e "Alunos de escola pública em Weggis descobrem o Brasil", o subtítulo. Um menininho louríssimo, lindo, saudável, de cinco ou seis anos, vestindo a camisa de Ronaldo, corria com uma bandeira do Brasil, durante uma aula de Educação Física, numa escola PÚBLICA da Suíça. As outras fotos mostravam uma ampla e clara sala de aula, com um mobiliário estalando de novo, mapas, telões, cartazes, janelões exibindo paisagens verdejantes, dois professores, cerca de quinze alunos, um luxo!

Imaginem que lá, na Suíça, em Weggis, a cidade onde a nossa brilhante Seleção treina e descansa, se preparando para a Copa, todos os alunos acordam cedo (como vocês), mas passam, diariamente, nove horas na escola. Praticam esportes, aprendem alemão, francês, inglês e italiano e, nesse momento, desenvolvem um projeto especial: conhecer a realidade do Brasil e dos brasileiros.

Nesse projeto, os alunos de Weggis pesquisaram vários temas da nossa cultura: a agricultura, a arte, o carnaval, a fauna e, claro, o futebol. Durante os estudos, ficaram impressionados com o tamanho do nosso país (nem sabiam localizá-lo no mapa!) e se admiraram ao saber que se leva dez horas de avião para ir do Norte ao Sul do Brasil e que só a cidade do Rio de Janeiro tem mais habitantes do que a Suíça inteira!!!! Vocês sabiam? Mas localizar a Suíça no mapa eu tenho certeza que vocês sabem...Conheceram muitas belezas do nosso imenso e fantástico país, como o Pantanal Matogrossense, por exemplo. Experimentaram o nosso café e até sambaram com um professor colombiano, que se divertiu, afirmando: "As meninas até levam jeito, mas os meninos são duros demais!".

Um dos pontos altos do projeto "Semana do Brasil", na Escola Schulhaus Kirchmatt (é assim que ela se chama), foi a projeção do filme "Cidade de Deus". No filme, adolescentes brasileiros vivem nas ruas e convivem com uma violência sem tamanho. Vocês podem não ter visto o filme, mas conhecem bastante essa realidade de tanto ver e ouvir falar, não é? Os adolescentes suíços ficaram “chocados”, impressionados mesmo com algumas cenas, porque mostrava uma realidade muito cruel, bem diferente daquela que eles aprenderam a conhecer nos cartões postais. Olhem só o que uma jovem de quinze anos, a Dora, concluiu, ao final: “Entendi que, no Brasil, a criança pobre vira jogador de futebol ou entra para uma gangue. Essa é a vida real dos brasileiros.” Eles pensavam que no Brasil só existia samba ou futebol. Então desenvolveram com o professor Markus Bregy os temas "Meninos de Rua" e "Criminalidade juvenil". Nessa escola PÚBLICA, há 423 alunos, entre o jardim de infância e o ensino médio. Vocês sabem quantos alunos há no CAp? Mais de 423? Menos? Procurem saber...

Também estávamos preparando um belo projeto para desenvolvermos no CAp durante a Copa. Queríamos estudar com vocês (e ainda queremos!) as culturas dos diferentes países que participarão da Copa. Tivemos que adiar esse projeto e outros também, acho que vocês já sabem o motivo. É isso mesmo. Estamos lutando muito para melhorar a nossa vida lá no CAp.

No CAp que sonhamos para vocês e para nós, professores, as carteiras e cadeiras não estão destruídas pelo tempo ou pelos cupins; o único elevador do nosso prédio de cinco andares funciona; os pátios são arborizados e têm espaço para brincadeiras e prática de esportes; as bibliotecas têm espaço para todos circularem à vontade e estão recheadas de livros,revistas,computadores; as salas de aula são arejadas e oferecem a segurança e o conforto necessários para que as aulas sejam agradáveis e muito, muito valiosas para o crescimento de vocês. Lá, nesse CAp que sonhamos, também não falta professor para ensinar inglês, francês, italiano, espanhol, chinês; os laboratórios são bem equipados; as cantinas e o restaurante servem alimentação saudável e ocupam um espaço adequado; professores não precisam ser substituídos todo ano, podendo participar de concursos e realizar, continuamente, projetos e pesquisas que enriqueçam cada vez mais o trabalho que desenvolvemos com vocês, e os funcionários não precisam ficar correndo de um lado para o outro para poder atender as nossas solicitações. Nesse CAp, teríamos um ônibus para fazer excursões incríveis, não seria o máximo? Ah, tantas coisas simples, necessárias e adoráveis teríamos. A lista é muito longa, vou parar por aqui. Só fico com peninha, muita mesmo, porque esses sonhos não são impossíveis, não precisavam ser. O Brasil não é a Suíça, mas poderia avançar muito, se quem cuida dele tivesse vontade de mudar o que não anda muito bom, vocês não acham?
Não sei se vamos conseguir realizar esse sonho de CAP algum dia, mas não desistiremos nunca, sabem por quê? Porque viver sem sonhar não tem a menor graça. Não mesmo.
Eu acho que o Brasil vence essa Copa fácil, fácil. E vocês? É um time e tanto, Ronaldinho é mesmo um super craque. E o Kaká, então? Nossa, é demais!Mas precisamos mesmo é continuar lutando - e vocês vão ajudar muito nessa tarefa gigantesca -, para fazer o nosso Brasil tão querido vencer todas as dificuldades que já vem enfrentando há muitos, muitos, muitos anos para ser realmente um grande país, não só no mapa, como já é, mas na mente e nos corações de todos nós."

Um comentário:

Angélica disse...

Ô, meu amigo de tantas palavras, firmes esperanças e vãs ilusões,
que luxo ter encontrado você no meio de tantas palavras e aulas infinitas, na estação primeira e única da Mangueira olerê, olará!
Meu amigo, poeta abençoado,menino Toni, obrigada eu por esse carinho pra lá de especial, neste seu espaço tão nobre e vasto, onde cabem até sonhos duramente desfeitos, para sempre, ai de mim!

Bjs saudosíssimos
Angélica