1 de jun de 2006

Asas

Se conseguisse tirar os pés do chão para alçar vôo naquele momento talvez realmente nem precisasse das asas. Mas elas estavam ali, nas minhas costas, e a janela aberta me convidava a batê-las.

Quando ganhava o céu, de vez em quando, sentia náuseas. Mas sabia que não a sensação não passava de uma insegurança de não estar preso a nada, nem a mim. E era isso que me fascinava no vôo, estar livre até de tentar entender o porquê.

Se chovia então era melhor: um pingo sempre pode parecer uma lágrima, e uma lagrima, se minha, era também chuva. Se raios então o fizessem, era luz e se luz fosse a asa, dia. E já nem lembrava das pernas, essas malditas raízes que me fincavam na terra.

Se nublado, soprava as nuvens e desenhava com elas, sem aquarela ou pincel, só as dispondo ao sabor das asas pra ver alguém lá de baixo apontando e vendo elefante onde era gato.

Se manhã acompanhava o sol de mãos dadas e colocava-o no pino do meio dia, mas depois o levava para um mergulho no mar, quando era vez da lua.

Se fosse sol, fazia sombra, mas se eu fosse então a sombra, refresco.

E se cheia fosse a lua, podia fazê-la crescente, ou minguante, dependendo de onde eu fizesse a sombra, mas agora sem o refresco.

Se verão, era brisa; se inverno seco; se outono companheiro; se primavera cor.

Voava por horas, por dias, por anos, embora enquanto no ar não conseguisse entender de tempo. Na verdade entendia só de nunca, mas o nunca parecia muito longe pra entrar nessa história.

Se fosse cidade, voava baixo; se estado, médio; se fosse país, muito alto e tudo o que via eram pontos/pessoas que eram em suma o que a visão torta veria ainda que de perto: apenas pontos,pontos, pontos. Com raízes.

Mas o que mais gostava era do arco-íris. As cores a todo momento mudavam, ou será que meus olhos é que as viam diferentes sempre? Se via-o perto, era muito longe, mas se nem o percebesse poderia estar dentro dele.

De tanta prática já conseguia voar de olhos fechados e ainda assim via muito, porque muito do que enxergava era puro sentimento. Mas se os olhos estivessem então abertos, então era sentimento, e puro.

Voava cada vez mais, descobria cada vez mais, sentia cada vez mais. Cheguei a ponto de ouvir com os olhos, ver com ouvidos, sentir com alma.

Não me importava com a descrença dos outros no meu vôo pois só os que tinham os olhos presos na terra não poderiam ver a beleza do que se esconde atrás do ar. Com o tempo parei de contar minhas aventuras porque quanto mais contava, menos voava.

E como meus pés já não me prendiam mais, passaram e prender minhas mãos também.

Conheci em uma de minhas viagens um homem-pássaro, que como eu, vivia preso numa gaiola mas conseguiu fugir. Mas ele não sobreviveu muito, coitado. Era simples no que via, primário no que sentia e mesmo com asas nunca ia muito

longe.

Mas eu não era nem pássaro, nem avião, nem folha seca, nem ar.

Quando tinha asas era tudo de tanto ser nada.

Nenhum comentário: