4 de nov de 2008

A linha invisível que nos separa

O que nos separa tem nome
O que nos uniu, não.
O tempo que me fez ser quase seu foi curto
O que levará para curar, não.
Os seus recuos, estes foram muitos
As tentativas, nenhuma.

E ai a gente, tortuosamente,
Acabou fazendo uma história
Que nasceu de um sonho
Mas sucumbiu à realidade.

Triste realidade.




Agora eu só tenho o seu nome
E uma dúzia de músicas
Mas eu já tive mais
Eu quase tive
Antes de deixar escapulir por entre os dedos.

Agora eu tenho só aquele sonho
E uma vaga lembrança do calor
Mas eu tive mais
Eu quase tive
Antes de ouvir você dizer que prefere manter-se acordado.

Agora eu tenho sua vontade de ver meu sorriso
E quase nada de força
Mas eu tive mais
Eu quase tive
Antes de você olhar meus olhos e não enxergar o fundo.

Agora tem essa linha invisível entre nós
E essa impermeabilidade forjada
Mas eu tive mais
Eu quase tive
Antes de entender que você não deseja mais que o “quase”.


Nenhum comentário: